Acidente na Av Inajar de Souza

acidenteavinajardesouza-271009-5

Grave acidente trânsito que ocorreu hoje, 27/10/09,  pela manhã na Avenida Inajar de Souza (Vila Nova Cachoeirinha), entre a Rua Imaruí e a Rua Édson Peregrini. A Saveiro atingiu um motoqueiro e uma quadra mais a frente atingiu um ônibus. Dois feridos graves, um deles foi levado pelo helicóptero Água da Polícia Militar.

acidenteavinajardesouza-271009-2acidenteavinajardesouza-271009-3acidenteavinajardesouza-271009-4acidenteavinajardesouza-271009-6acidenteavinajardesouza-271009-7acidenteavinajardesouza-271009-8acidenteavinajardesouza-271009-9acidenteavinajardesouza-271009-8acidenteavinajardesouza-271009-10acidenteavinajardesouza-271009-11acidenteavinajardesouza-271009-12acidenteavinajardesouza-271009-14

Águas de Maio

As fotos abaixo são da minha aventura como foto jornalista durante a grande enchente de 25 de maio de 2005. Neste dia, São Paulo parou. Os rios Tietê e Tamanduateí transbordaram. A forte chuva começou cair na véspera e continuou caindo a noite inteira.

Transito parado e o rio Tamanduateí transbordado

Trânsito parado e o rio Tamanduateí transbordado

A imagem mais marcante era não conseguir distinguir o rio Tietê com as marginais por causa do grande volume das águas.

Rio Tietê, onde inicia, onde termina suas margens?

Rio Tietê, onde inicia, onde termina suas margens?

Outra imagem marcante foi do caminhão que ficou em “L” debaixo da ponte das Bandeiras. Aliás para realizar esta fotografia, tive que chegar bem próximo do rio transbordado, ao lado dos muros da ponte. Foi uma aventura mesmo.

Caminhão ficou preso na marginal, sentido Penha-Lapa, debaixo da ponte das Bandeiras

Caminhão ficou preso na marginal, sentido Penha-Lapa, debaixo da ponte das Bandeiras

Por mais que o governo do Estado ter prometido que aquelas cenas não aconteceriam mais, com um investimento de investe R$ 755 milhões no combate a enchentes (10/9/09), são sempre soluções pequenas e paliativas, microsoluções dentro do universo de ações que tem que ser realizadas para o combate da mudança climática.

Hoje, 8.612 blogs no mundo todo estarão discutindo sobre a mudança do clima, no Blog Action Day ’09. Todos, governos, políticos, e nós, cidadãos, devemos nos unir para combater a poluição e o consumo desenfreado dos recursos naturais do planeta.

Quem sabe desta forma, as enchentes que sempre martirizam a cidade de São Paulo, possam torna-se apenas lembranças de uma velha fotografia, e que “Águas de Março” seja apenas o título da música composta por Tom Jobim e interpretada na belíssima voz da Elis Regina.

Fila para recarregar bilhete único

Fila para recarregar Bilhete Único no Terminal de ônibus da Vila Nova Cachoeirinha

Fila para recarregar Bilhete Único no Terminal de ônibus da Vila Nova Cachoeirinha

A foto tirada de um celular, ontem às 17h36, depois de ficar mais de 1h nesta fila para conseguir recarregar o Bilhete Único, na entrada do Terminal de Ônibus da Vila Nova Cachoeirinha (zona noroeste).

O pior foi constatar que não somente uma lotérica no Bairro do Limão, distante 2,5 km dali, estava sem sistema, mas as lotéricas da redondeza do terminal também estavam off-line, de acordo com outras pessoas que estavam na fila. Talvez pelo fato das lotéricas estarem tão estressadas fazendo papel substituto dos bancos em greve, não dariam conta com aqueles que gostariam recarregar seus Bilhetes Únicos.
Aliás, não somente as lotéricas, mas na própria bilheteria estava off-line para estudantes que gostariam de recarregar seus bilhetes escolares, e as máquinas de autoatendimento também estavam desligadas.

Sr. secretário de transportes e presidente da SPTrans, Alexandre de Moraes, quanto mais tempo o usuário do transporte coletivo vai continuar sofrendo com isto, já que não se pode recarregar no próprio ônibus por questões de combater o comércio clandestino do Bilhete Único?

[atualizaçã0]

08/10/2009 – 11h56

Pane na rede impede recarga de bilhete único em SP

do Agora na Folha Online

Desde segunda-feira (5), cerca de 15 mil máquinas de recarga da Rede Pague Express apresentam uma série de falhas e impossibilitam os passageiros do transporte público de São Paulo de inserir créditos no bilhete único. De acordo com a SPTrans (empresa de transporte da prefeitura), o sistema deve ser normalizado ainda nesta quinta.

Criado para facilitar a vida dos usuários do transporte público, o bilhete único tem causado transtornos a muitas pessoas que precisam recarregar o cartão nos cerca de 6.000 postos espalhados em estações do metrô e empresas da cidade.

Segundo alguns usuários, o problema não é recente e ocorre com frequência. “Isso vive acontecendo”, reclamou a recepcionista Amanda Siqueira, 22, na estação Marechal Deodoro, no centro de São Paulo.

A SPTrans informou, em nota, que “ocorreu uma oscilação na rede, o que causou lentidão na operação” e que as máquinas “não deixaram de operar”. A reportagem constatou que entre as 12h30 e 13h20 de ontem (7), o sistema esteve parado. Segundo a SPTrans, por volta das 11h50, o sistema ainda apresentava lentidão.

Responsável pela rede Pague Express, que faz a recarga, a Planetek informou que o problema está só no sistema da SPTrans.

Vila Nova Cachoeirinha e região perdem Metrô para Brasilândia

Antes era até a estação Freguesia do Ó, a nova linha 6 Laranja que começaria na estação São Joaquim (linha 1 Azul), passaria por Higienópolis e Água Branca. Depois veio a ideia genial da dupla Kassab/Serra de criar uma bifurcação em “Y” na Freguesia do Ó e teríamos as estações finais em Brasilândia numa ponta e na outra ponta, a estação Ruth Cardoso, na Vila Nova Cachoeirinha. Mas na última sexta-feira, dia 6 de junho, mudou-se tudo. Agora o a linha 6-Laranja do Metrô vai até Brasilândia. A que iria para Vila Nova Cachoeirinha será o tal do metrô leve ou VLT (Veículo Leve Sobre Trilho – algo como um bonde “reload”), com o novo nome, linha 16-Prata. (veja abaixo as reportagens do Estadão (mais informativo) e da Folha de SP (mais crítico).

Especulando

Já que o Metrô mostrou que realmente ainda não existe nada de concreto para a linha 6-Laranja e a novíssima linha 16-Prata, ele deu-me o direito de especular com as pacas informações que foram liberadas.

A nova linha 16-Prata deverá iniciar na atual estação CPTM Lapa (linha 7-Rubi), cruzará com a Estação Freguesia do Ó ou Santa Marina (será que existirá esta estação? Ela é muito próximo da Estação Água Branca), passará pela Nossa Senhora do Ó, Vila Palmeiras e Jardim Primavera, pela Estação Ruth Cardoso (não será mais Estação final, como era no segundo projeto) e ainda passará por Vila Dionísia (se o trajeto acompanhar a Avenida Inajar de Souza) finalizando na Estação Cachoeirinha, e não mais na Vila Nova Cachoeirinha (os dois são bairros distintos).

Imaginando esse novo trajeto no Google Maps, a linha 16-Prata terá em torno de 8,3km. De acordo com informações do Estadão (abaixo) existirão 10 estações, provável que ainda existirá uma estação Jardim Primavera (como moro neste bairro, é lógico que vou querer uma estação bem pertinho da minha casa, rsss).

especulacao_09061

Agora não sei se sinto recompensando com o melhor projeto para a região, já que um VLT poderá ter um custo menor, mas a impressão que tenho é que os moradores desta região ficaram meio que jogados pra segundo ou terceiro plano, já que metrô mesmo vai para os lados somente da Freguesia do Ó, Morro Grande e Brasilândia. E pior, se não formos prioridade para o Governo, nem VLT poderemos ter, após o período eleitoral (2010 está ai) o metrô que foi prometido para Vila Nova Cachoeirinha, que foi requentado para VLT até Cachoeirinha, tem o perigo de que acabe virando uma simples reforma e ampliação do atual corredor de ônibus Paissandú-Vila Nova Cachoeirinha. #medo!

Governo transforma trecho da futura linha 6 em metrô leve

RICARDO SANGIOVANNI e JOSÉ ERNESTO CREDENDIO

da Folha de S.Paulo em 6 de junho de 2009

Pela segunda vez em menos de um ano e meio, o governo de São Paulo alterou o projeto da linha 6-laranja do metrô, que pretende ligar o centro à zona norte da cidade passando por parte da região oeste e pela Freguesia do Ó.

O Estado desistiu de fazer uma bifurcação a partir da futura estação Freguesia do Ó. Anunciada em dezembro, ela dava à linha um formato em “Y” (inédito na cidade) e levava o metrô a dois bairros periféricos: Brasilândia e Vila Nova Cachoeirinha.

Agora, a linha 6-laranja, de fato, irá da Brasilândia até a estação São Joaquim da linha 1-azul, na região central. A “perna” do “Y” que seguiria em direção à Vila Nova Cachoeirinha foi transformada em uma nova linha, a 16-prata.

Ela será um metrô leve (de superfície, com trens menores e de construção mais barata) e irá até a estação Lapa da linha 7-rubi (Jundiaí-Luz) da CPTM, cruzando a futura linha 6.

O trajeto da linha 16-prata é semelhante ao proposto pela ex-prefeita Marta Suplicy (PT) nas eleições do ano passado –que foi criticado pela gestão José Serra (PSDB). O governo não comentou esse assunto.

O cronograma de construção da linha 6 foi mantido: início das obras no último trimestre de 2010, com conclusão no primeiro semestre de 2013. O custo, antes estimado em R$ 2 bilhões, não foi atualizado.

Já a linha 16-prata, cuja primeira versão do projeto deve sair até o final deste ano, ainda não tem custo estimado nem prazo para sair do papel.

Segundo especialistas, a opção pelo metrô leve pode reduzir pela metade o investimento necessário para o subterrâneo, cujo preço por quilômetro vai de US$ 60 milhões a US$ 100 milhões. Por outro lado, a depender do trajeto, pode implicar mais desapropriações.

Um recurso é a construção de vias elevadas (como no Fura-Fila), que podem ter impacto negativo na paisagem se usadas em excesso, dizem urbanistas.

Vai e vem

O projeto da linha 6 foi lançado por Serra e pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM) em evento em março do ano passado –pouco após o trânsito da cidade ter batido seguidos recordes de congestionamentos.

Originalmente, ela ia da Freguesia do Ó a São Joaquim. Em dezembro, em novo evento, Serra e Kassab anunciaram o “Y” que expandiria a linha.

Ontem, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos negou que os anúncios anteriores tenham sido precipitados.

Segundo a pasta, a nova alteração foi definida após técnicos avaliarem que a demanda de passageiros até Vila Nova Cachoeirinha não justifica a opção por metrô subterrâneo.

Optou-se, então, pelo metrô leve, que, mesmo tendo metade da capacidade do tradicional, será suficiente para atender a região. A pasta não quantificou a demanda de passageiro projetada para cada uma das linhas.

Zona norte vai ganhar metrô leve

Linha 16-Prata vai ligar Estação Lapa da CPTM até futuro terminal do Metrô na Vila Nova Cachoeirinha

Renato Machado

Estadão em 6 de junho de 2009

A Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos anunciou ontem mudanças nos traçados do projeto para expansão das redes do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). As principais são nas futuras Linhas 17-Ouro e 16-Prata do Metrô – respectivamente nas zonas sul e norte da cidade de São Paulo. Além disso, foi decidido que a Linha Prata será operada como metrô leve.

O projeto para a Linha 16-Prata previa a construção de metrô pesado para aquela região. Segundo a secretaria, a mudança foi decidida levando em conta a demanda existente e os custos da operação. A zona norte já tem a Linha 1-Azul e terá a Linha 6-Laranja. Desse modo, estima-se que a demanda será dividida e, por isso, se optou por operar como metrô leve na região.

O traçado da Linha 16-Prata ainda não havia sido definido, mas, a princípio, essa seria um braço da futura Linha 6 -Laranja, que vai de São Joaquim (zona sul) à Brasilândia (zona norte). As duas linhas comporiam o o formato da letra Y com um ponto de encontro na região da Freguesia do Ó.

O traçado definitivo prevê que a Linha 16-Prata comece na Estação Lapa – interligada com a CPTM – e siga até a futura Cachoeirinha, na zona norte. Serão 8,3 quilômetros de percurso com dez estações. O encontro com a Linha 6-Laranja ainda está mantido, mas agora será na região do bairro Santa Marina.

O trajeto da Linha 16-Prata passará por bairros da região como Nossa Senhora do Ó, Vila Dionísia e Jardim Primavera. A Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos afirma que o projeto funcional será concluído até o fim do ano, mas ainda não há previsão para o início das obras.

[Atualização]  No Jornal Destak tem novas informações sobre as estações:

Para atender mais usuários, parte da ligação da estação São Joaquim (linha 1/Azul) até a Vila Nova Cachoerinha, na zona norte, será feita pela Linha Prata, e não somente pela Linha 6/Laranja do metrô. As duas devem ser entregues em 2014, segundo o governo estadual. A Linha Prata, com metrô de superfície, sairá da Lapa (Linha 7/Rubi) e terá nove estações: Ermano Marchetti, Santa Marina, Nossa Senhora do Ó, Vila Carbone, Jardim Primavera (eba!!!), Vila Espanhola, Ruth Cardoso, Vila Dionísia e Cachoerinha

Mudanças no blog

Sim, estou realizando uma série de mudanças no blog, dentro do paco tempo livre. Entre estas mudanças é a separação de alguns temas que cresceram muito aqui, sobre fotografia e o projeto Adote um Vereador.

Há tempos estou trabalhando no Clube Fotográfico, local onde estou concentrando tudo sobre fotografia. O trabalho lá ainda não está finalizado, mas o endereço para quem quiser já anotar é o http://www.clubefotografico.com.br

Já no caso do Adote um Vereador, vai continuar no mesmo domínio deste blog, mas com a instalação do WordPress MU, eles funcionaram como dois blogs independentes desta, os endereços são: para o vereador Jooji Hato/PMDB vai para http://massaouehara.com.br/adotei_vereadorjoojihato/ e para o vereador Claudinho/PSDB será o http://massaouehara.com.br/adotei_vereadorclaudinho/

Bom, ainda muita coisa pra trabalhar por aqui.